Seja bem vindo!

A palavra em harmonia com o divino, edifica o mundo... Acredito na palavra que promove união, compaixão, amizade, amor e gratidão...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

“... o tempo anda mexendo com a gente”


Naquele janeiro, naqueles dias chuvosos
eu não sabia... não sabia quem era Ela
Não sabia que já o tinha nos braços


Não sabia que era aquele,
justo àquela hora, 
Teu momento


Pai! Eu não sabia... não sabia que eram
os Teus últimos versos!
Não sabia que Tua página
já estava escrita e que não havia...
que não havia um lenço branco
em meu pensamento
quando meu olhar não viu mais o Teu.
Quando Teu olhar partiu
Tu sabias.
Partiste sozinho, lentamente, 
indo ao longe
ao longe... 
ali... tão perto de mim, partido!

Pai! Passaram-se tantos poemas! 
Passaram tantas janelas
Passaram os Teus meninos inocentes... impolutos!

Vô João! Ficaram tantos dias 
com picumã nos carrapichos!
Ficaram enormes os dias escritos 
nos versos chuvosos daquele verão.





















Zema-06/10/2006

10 comentários:

  1. Zema,Zé Maria, Tio Bahia, Uncle Bi, as mil e uma faces de um poeta. Um poeta que deixa o coração falar, que escreve com a emoção, com a vivência, as fantasias e as lembranças.Um poeta que fala de seu pai, outro poeta que não teve tempo e nem foi do tempo dos blogs e de escrever sua poesia. Mas que nos deixou palavras de sabedoria, exemplos de vida. Que lindo o que escreveu, emoção e saudade bem fortes, realmente... "...o tempo anda mexendo com a gente..." Bjo

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Você é mesmo um menino ingênuo e uma figura impoluta... Estou emocionada... Salve, Pai João Moreira! Beijo. Salete.

    ResponderExcluir
  3. Adorei o poema, diz muito dele, da sua visão do mundo, de nós.

    Dirceu

    ResponderExcluir
  4. Transitamos em um universo de grande ingenuidade e sabedoria se misturando no cotidiano.
    Lindos versos e linda estoria. Do tempo dos blogs ao tempo dos manuscritos, as palavras vem nos passeando e nos levando a tempos que ja foram, e ainda são.

    ResponderExcluir
  5. Adriana Castro Figueredo4 de dezembro de 2011 08:32

    Lindo poema Zé Maria!!! Parabéns !

    ResponderExcluir
  6. É! Como Douglas disse: "Tempos que já foram, e que ainda são..."
    Passaram-se poemas, janelas, meninos. Passaram... Mas se recusam a ir embora!

    ResponderExcluir
  7. Incrível
    amei este
    nao
    outro
    nao
    TODOS!

    ResponderExcluir
  8. Na verdade o escrever
    é somente o impulso
    da palavra viva
    emocionada que não
    cabe mais na redoma
    gramatical do pensamento
    e se faz solta e não a
    dominamos mais.
    E a emoção, que não vive só,
    solta-se do coração
    e se agarra às palavras
    e se mostra...
    Bom ver palavras amigas por aqui!
    Bjos, Zema

    ResponderExcluir
  9. Olá mano. Obrigado pelos versos a este companheiro que foi a rima e arrimo de minha vida. Beijos

    ResponderExcluir
  10. Baía,
    Senti saudades de vc. e resolvi passar por aqui e encontrei esta
    preciosidade, que nos emocionou bastante. Julinho passava por aqui e também leu, manda dizer que gostou mto.
    Lembro-me quando vô João me chamava de figura impoluta e depois a Swahili, quando ele aprontava as deles.
    Boas recordações, saudades...
    Abraços,Parabéns
    Liziê e Julinho

    ResponderExcluir